Você sabe o que é, e quais os sintomas do Colesterol?

Primeiramente é importante pontuar que o colesterol é uma gordura que o organismo necessita para fabricar as membranas das células.

Desta forma, ele pode ser adquirido através de dieta, e o próprio organismo pode fabricá-lo.

Porém, como ele não é solúvel no sangue ele precisa de transportadores que são as lipoproteínas. Elas têm diversos tipos e possuem diversas funções e podem se modificar de uma para outra.

Assim, a  maior delas, são denominadas de quilomícrons. Seu papel é carregar triglicérides e colesterol para as células (estes carregam os ácidos graxos vindos dos alimentos que são ingeridos).

Mas o que são os ácidos graxos?

De um modo geral, trata-se de um lipídio ou gordura que é formada por cadeias de carbono e um grupamento carboxila (COOH) nas extremidades.

Esse nutriente é utilizado como combustível pelas células e se constitui como uma das principais fontes de energia juntamente com as proteínas e a glicose.

A primeira vista, sabe-se que há diversos alimentos que apresentam uma grande quantidade de ácidos graxos. Entre eles, estão óleos vegetais, óleos de oliva, azeite de oliva, amendoim, nozes, castanhas, açaí, soja, etc.

Sob o mesmo ponto de vista, estes podem ser saturados (quando os carbonos apresentam ligações simples) ou insaturados (quando apresentam pelo menos uma ligação dupla).

Na maioria das vezes, as gorduras já apresentam ácidos graxos saturados e os óleos, insaturados.

Desta forma, essa diferença pode ser percebida por meio do estado físico desses compostos à temperatura ambiente. Quanto mais sólido for componente, maior tende a ser a concentração de ácidos graxos saturados.

Como é feito o transporte para às celulas do corpo?

Neste sentido, as próximas lipoproteínas são as VLDL (em inglês very low density liprotein),  que também  levam triglicérides para as células do corpo, porém são produzidas  no fígado.

Logo, após as células do corpo retirarem os ácidos graxos das VLDL, elas se transformam em IDL (em inglês intermediary density lipoprotein) e quando passam pelo fígado se transformam em  LDL (em inglês low density protein) que são ricas em puro colesterol.

Importante salientar que os triglicérides  são consideradas colesterol ruim, pois estão associadas a formação de placas de gordura nas paredes das artérias.

O HDL (em inglês high density colesterol) é chamado de colesterol bom porque remove colesterol da circulação e leva para o fígado para ser excretado.

transporte colesterolComo  acontece a obstrução das artérias que pode levar ao infartos?

De modo geral, o LDL se aloja na parede da célula e estimula a inflamação do local que pode piorar se a pessoa fuma, tem diabetes ou aumento da pressão.

Isso diminui a luz da artéria, diminuindo a oxigenação para os tecidos.

Por esse motivo, esse tecido inflamado forma pequenas placas que podem se romper levando a formação de coágulos, que podem obstruir as artérias (esse processo pode ser muito rápido, por exemplo, pode ocorrer em alguns minutos) e levar ao infarto.

As diretrizes podem variar de médico para médico, mas de uma maneira geral o objetivo é manter o colesterol total no sangue abaixo de 200 mg/dl e o LDL abaixo de 100mg/dl .

Neste sentido, reforçasse sempre que se deve conversar com o médico, uma vez que  cada caso é um caso.

O especialista vai perguntar sobre a saúde geral do paciente, uso de medicamentos, antecedentes familiares, outras doenças associadas e fatores de risco.

Quais são as doenças que podem  se associar ao aumento de colesterol?

  • Hipotireoidismo
  • Diabetes
  • Algumas doenças hepáticas
  • Síndrome de Cushing (síndrome causada pelo excesso de cortisol, um exemplo comum é o uso crônico de corticoides com aumento de acúmulo de gordura ao redor do rosto)
  • Alcoolismo
  • Doenças de rim

 

Quais os medicamentos que podem aumentar o nível de colesterol?

  • Alguns diuréticos
  • Beta bloqueadoresEsteroides (como prednisona)
  • Amiodarona
  • Retinoides ou outros derivados da vitamina A

Neste sentido, é importante lembrar que o uso de qualquer medicamento deve seguir orientações médicas.

Diante disso, para que a prescrição seja feita de forma precisa, o médico realizar uma entrevista, onde questionará se o paciente tem angina (dor no peito com ou sem exercício), ou se sofre de stress, bem como se o paciente já sofreu infarto.

As perguntas valem ainda para saber se o paciente dispõe de alguma alteração da vascularização dos membros ou se já fez alguma cirurgia do coração.

 

Calculadora para avaliar o risco de doença cardiovascular

De acordo com estudos, 0 risco para desenvolver doenças cardiovasculares são calculados através da idade, nível de colesterol e a pressão arterial.

Por meio destes dados é possível classificar o paciente com risco alto, intermediário e baixo, para infarto, por exemplo.

Neste sentido, se o paciente for considerado de alto risco, deverá  receber as orientações em relação à  alimentação, bem como ser estimulado a fazer atividade física.

Ainda sim, dependendo de outros fatores de risco (idade) o médico irá indicar o uso de estatinas (medicamentos que diminuem o colesterol).

 

Estatinas

Estes medicamentos diminuem o LDL em 20 a 60 % e podem aumentar discretamente o HDL, diminuindo o risco de doença cardíaca em 28 %.

Além disso, elas podem reduzir a viscosidade sanguínea, protegendo o coração e os vasos, aumentando diretamente o reparo do DNA.

Desta forma elas desaceleram a morte celular. Estudos acreditam que elas talvez tenham propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, que protegem a parede celular de serem destruídas pelo colesterol.

As estatinas podem também estabilizar placas de colesterol, diminuindo sua chance de obstrução dos vasos pela sua ruptura, inibindo as plaquetas e prevenindo coágulos nos vasos.

Além dos efeitos cardiovasculares, alguns estudos estão sugerindo que as estatinas podem ajudar na prevenção de artrite, diminui a chance de fratura óssea e diminui o risco de demência e doença de Alzheimer

A grande maioria dos pacientes tolera muito bem o uso de estatinas. Alguns efeitos colaterais podem ser sentidos de foma passageira, como dor muscular, náusea, diarreia e constipação.

Porém, é importante salientar que efeitos colaterais no fígado e no músculo podem ocorrer. Outros efeitos também são descritos, e incluem um pequeno risco de aumento de diabetes e uma não comprovada alteração de memória.

 

Efeitos colaterais do colesterol no fígado e músculo

Em relação ao fígado, os estudos tem revelado que os efeitos podem ser temporários e o médico pode solicitar exames após o início do uso do medicamento, para avaliar o bem-estar do  fígado.

Com relação aos efeitos no músculo, geralmente consistem em dor.

Dificilmente ocorre a morte da célula do músculo e a consequente obstrução das artérias dos rins. Geralmente essa dor muscular pode ser passageira ou  o médico pode diminuir a dose da estatina com a melhora do quadro.

Porém, é importante observar se a dor é mesmo oriunda do uso da estatina. Observando a relação temporal da ingestão de medicamento e o início das dores e se a dor é bilateral.

 

Novos medicamentos para controle do colesterol

Uma nova classe de medicamentos é o PCSK9 (nomes comerciais: Praluent e Rephata) que podem reduzir em até 50% o colesterol de pessoas que estão usando estatinas e podem ser usadas em pessoas que tem efeitos colaterais com estes medicamentos.

Consistem em dois anticorpos que inibem a proteína PCSK9 (essa  proteína impede a diminuição do LDL no sangue) e como é cara e não tem muitos anos de uso, os efeitos colaterais precisam ser melhor estudados, porém até o momento não são relatados efeitos graves.

Existem outros medicamentos  como o ezetimiba, que atua diminuindo a captação do colesterol no intestino e pode atuar conjuntamente com as estatinas.

Exames complementares para o diagnóstico

Em alguns casos, quando o risco é intermediário e há dúvidas na indicação do uso de estatinas, pode eventualmente ser pedido um exame que se chama escore de cálcio.

Este exame é realizado por uma tomografia de coração (onde é feito uma avaliação das artérias do coração para ver quantas placas calcificadas existem).

Os testes para  colesterol podem ser iniciados na infância, para se estimular hábitos de alimentação saudável e a realização de exercícios físicos.

Para os homens, há uma maior incidência de doenças cardiovasculares.

Desta forma, como guidelines é sugerida a medição do colesterol  caso o paciente tenha acima de 35 anos, mulheres e homens com a idade a partir de 20 anos se houver fatores de risco como fumo, diabetes e obesidade.

Em contrapartida, o médico pode pedir testes com frequência, caso o paciente tenha colesterol de 200 mgdl ou mais, se você for homem acima de 45 anos e mulher acima de 50 anos, seu HDL colesterol está menor que 40 mg/dl .

Cuidados com a alimentação

Frequentemente percebe-se que existem diretrizes de alimentação, que são publicadas a cada 5 anos pelo Departamento de Agricultura dos EUA, juntamente com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Estas diretrizes chamam: “Dietary Guidelines for Americans”.  A última diretriz (2015 e 2020) eliminou o limite de ingestão de colesterol na dieta, orientando uma atenção geral na ingestão de gorduras. Porém limitando a ingestão de gorduras saturadas.

Essa gordura saturada aumenta o LDL (exemplos são alimentos de origem animal e seus derivados como manteiga, queijo, creme de leite, banha, leite integral, torresmo, linguiça, salsichão e gema de ovo)

Portanto, eles sugerem  uma dieta rica em frutas, vegetais, peixe e grãos integrais.

Quanto mais se consumir estes alimentos, menos será a ingestão de gorduras saturadas e carboidratos processados (como farinha branca e açúcar).

Além disso, as diretrizes sugerem a perda de peso para as pessoas que se encontrem em sobrepeso, uma vez que   isso está relacionado a diminuição do LDL e sugerem também o aumento do HDL e diminuição dos triglicérides através de exercícios.

 

A prática de exercícios físicos ajuda no controle do Colesterol

Para manter um coração saudável, os exercícios mais indicados são os aeróbicos (caminhadas e corridas).

Desta forma eles são indicados porque aumentam a frequência cardíaca por isso precisam de regularidade em sua prática.

A recomendação é de 2 horas e 30 minutos por semana (atividade moderada) ou 1 hora e 15 minutos (atividade mais intensa). De qualquer forma é sempre importante conversar com um médico.

Os exercícios que desenvolvem o tônus dos músculos podem ser feitos de maneira intercalada com os exercícios aeróbicos sempre sob orientação.

Por fim, é interessante saber que esse exercício não afeta tanto o colesterol quanto o aeróbio. mas pode ajudar a manter o peso  e melhorar o controle de açúcar no sangue.

Últimas dicas para controlar o Colesterol:

  • De modo geral, tenha paciência e persistência: um dia você pode não conseguir seguir a orientação alimentar ou os exercícios, mas não se desanime;
  • Tente ter uma vida regrada, dormindo cedo e acordando cedo;
  • Diminua o consumo de álcool  e o fumo;
  • A perda de peso e a diminuição do colesterol geralmente é gradual. O importante é estar indo na direção certa!

 

Referência

Cholesterol Guidelines: Past and Present – Harvard Health Publishing

 

 

Kelma Yaly

Kelma Yaly

Consultora de Marketing de Conteúdo e Performance para Mega Imagem.