Saúde mental e emocional, um tema altamente falado no início desta semana, por Simone Biles, a ginasta mais condecorada de todos os tempos, que se posicionou tomando a decisão de se retirar da final geral olímpica.

Biles abordou abertamente suas lutas para manter sua saúde mental e emocional  e tomou uma posição radical contra este estigma.

Você, em algum momento da sua vida já deve ter ouvido o termo “ressaca de vulnerabilidade”.

Uma ressaca de vulnerabilidade é melhor descrita como os fortes sentimentos de arrependimento por se abrir e “compartilhar demais”.

Este sentimento, em geral, é muito comum as mulheres, devido a temores arraigados de julgamento e vergonha

Desta forma, as ações de Biles mostram que a pressão afeta a todos e que ainda existe uma discrepância percebida entre a saúde mental  e a física, mas que precisamos falar sobre isso.

Apresentamos aqui cinco lições principais que podemos tirar da experiência de Biles.

01. Você pode ter sucesso e ter um diagnóstico de saúde mental e emocional

Embora a decisão de Biles de se retirar das finais gerais fosse notícia de última hora, ela abertamente abordou sua saúde mental e emocional.

Como outros atletas que falaram sobre saúde mental, Biles abordou abertamente seus problemas de saúde mental e emocional antes.

Depois que hackers divulgaram seu diagnóstico  confidencial em 2016 de TDHA, Biles tomou uma posição contra o estigma de saúde mental e emocional por meio do Twitter.

Além de seu diagnóstico confirmado, o passado de Biles, que envolveu suportar o sistema de acolhimento e bullying, serviu como estressores adicionais para seu bem-estar.

Apesar disso, Biles mesmo sendo uma atleta mundialmente famosa, afastou as visões estereotipadas do que significa ter um diagnóstico e serve como um exemplo de que você pode conviver com problemas de saúde mental emocional e ainda sim, lutar pelos seus sonhos.

02. A pressão afeta a todos

As mentes dos atletas são oprimidas.

Embora os atletas sejam celebrados por suas habilidades físicas, o brilho de tais talentos seria insuficiente sem a profundidade de sua dedicação, disciplina e diligência.

Além de treinar seus corpos, eles condicionam suas mentes. À medida que fazem o possível para “manter a cabeça no jogo”, eles se tornam adeptos a se desviar das distrações, se recuperando de erros e mantendo os olhos no prêmio.

Apesar de quão formidável pode ser a mente de um atleta olímpico, ele não é imune à pressão. No início desta semana, Biles compartilhou no Instagram sobre o “peso do mundo” em seus ombros. Suas palavras ilustram a capacidade da pressão de afetar até mesmo as mentes mais saudáveis.

É  um lembrete útil de que não importa quem você seja, o estresse pressiona qualquer pessoa. Sentir a influência da pressão ao longo do tempo é humano, e não um sinal de fraqueza.

03. A saúde mental e emocional de um indivíduo não existe em uma bolha

Embora a notícia da decisão de Biles, sem surpresa, tenha escalado uma grande variedade de manchetes em todo o mundo, parece que o momento específico da decisão de Biles pode ser ofuscado pela importância da decisão.

Sim, Biles citou o valor de seu bem-estar, mas também notou que sua decisão poderia afetar toda a equipe. Ou seja, caso essa decisão não fosse tomada por Biles, ela sabia que poderia afetar todo o time, pois em outras palavras ela não estava na hora certo e nem no local certo.

Frequentemente, os indivíduos, especialmente os atletas, passam por seus momentos difíceis pelo bem de sua equipe.

No entanto, neste caso, Biles estava ciente que o estado frágil de seu bem-estar poderia afetar negativamente a ela e a seus companheiros de equipe também.

Especialistas confirmar ser comum as pessoas levarem seu bem-estar mais a sério quando consideram as consequências para os outros a sua volta. Para Biles, esse reconhecimento a ajudou a tomar a melhor decisão e também a sua equipe.

04. O trauma coletivo tem consequências únicas

Além de ser muito aberta  sobre sua saúde mental e emocional, Biles também falou corajosamente sobre seu abuso sexual pelo ex-médico da Equipe dos EUA, Larry Nassar.

Há uma variedade de estratégias terapêuticas para tratar o trauma e nenhum método funcionará para todos.

De certa forma, cada indivíduo tem que encontrar sua própria verdade. O que é comum, no entanto, é que muitas vezes esse é um processo de longo prazo que pode ser desencadeado apesar dos anos desde o próprio trauma.

Em abril, Biles reconheceu que seu retorno foi alimentado pelo reconhecimento de que ela seria a única sobrevivente ainda no esporte.

O trauma já é complicado; no entanto, Biles reconheceu o padrão histórico de mutação de sobreviventes de trauma sexual e sentiu a responsabilidade social de contribuir para a conscientização.

Além disso, sua decisão de se envolver destaca um desafio distinto que vem com o trauma coletivo: a responsabilidade de encontrar resiliência para você mesmo, para outros sobreviventes e por uma causa mais ampla.

05. Ainda existe uma discrepância entre a gravidade da saúde mental e emocional da saúde física

Infelizmente, a decisão de Biles não foi isenta de críticas.

Neste sentido, Biles foi rotulada de“ desistente” e ridicularizada por trazer vergonha ao seu país. Esses comentários seriam os mesmos se ela tivesse quebrado um osso na segunda-feira?

Como sociedade, fizemos grandes avanços em termos de conscientização e educação em saúde mental e emocional.

No entanto, a persistência dessa negatividade salpicada de estigma é representativa de uma das principais razões pelas quais é difícil para os indivíduos procurarem ajuda.

Neste sentido, para investir no crescimento, é preciso reconhecer que existe um problema. No entanto, se essas preocupações forem minimizadas e ridicularizadas, é compreensível que um indivíduo experimente hesitação ou mesmo negação.

Assim, precisamos entender que este exemplo de estigma não afeta apenas Biles, mas milhares de outras pessoas que lutam silenciosamente com preocupações devido ao medo de se manifestar, buscar ajuda e acabar manchando sua reputação.

06. Defina seus próprios limites

Somos todos seres humanos e saber qual é o nosso limite pode ser fundamental.

Ou seja, saber o que o seu corpo e mente precisam para se recuperar, para você poder seguir com confiança e força são decisivos para manter uma mente e corpo equilibrados.

Desta forma, isso pode significar fazer uma pausa na mídia social, distanciar-se daqueles que o impactam negativamente e fazer mais do que você precisa para definir um caminho mais claro para o sucesso.

07. Ouça seu corpo

Desenvolver a resiliência mental leva tempo e necessita de maturação

Assim como Biles, que ouvia seu corpo e sabia ser perigoso para ela completar, você também precisa parar um minuto e descobrir se o que está fazendo vai fazer você se sentir melhor ou pior.

Ou seja, se a decisão for cancelar uma reunião, tire um dia de folga ou diga não a alguma coisa, e que assim seja. Isso realmente mostra uma grande força.

 

Kelma Yaly

Kelma Yaly

Consultora de Marketing de Conteúdo e Performance para Mega Imagem.