Como descobrir o sexo do bebê no ultrassom? Uma pergunta que quase toda gestante faz. 

Importante lembrar que muitos exames são feitos durante a gravidez, e o ultrassom é um deles. Neste sentido, é preciso fazer o pré-natal e seguir todas as orientações de seu médico. 

Contudo, a maioria das mamães quando descobrem que estão grávidas, ficam extremamente ansiosas para descobrir o sexo do bebê. 

Inegavelmente, esta é uma das fases mais gostosas, é o período da descoberta.

Neste caso, para descobrir o sexo do bebê, pode ser feito um exame de sangue comum, onde é possível analisar o DNA fetal presente no plasma materno. Esse exame é chamado de sexagem fetal.

Além disso, pode ser feito também o ultrassom de primeiro trimestre com perfil bioquímico.

No entanto, há motivos médicos pelos quais mães e pais podem querer saber o sexo de seu bebê por meio de um ultrassom.

Às vezes, saber o sexo pode ajudar os pais a tomar decisões informadas sobre a gravidez em si, como no caso de doenças específicas do sexo.

Um exemplo disso é a hiperplasia adrenal congênita, uma condição genética em que as meninas podem ter genitais que parecem mais masculinos do que femininos,

Curiosidades sobre a determinação do sexo do bebê

  • O sexo do bebê é determinado quando o óvulo é fertilizado, ou seja, não depende da idade gestacional;
  • Se o bebê será menino ou menina, é determinado no momento da concepção, muito antes que a maioria das mulheres perceba que está grávida;
  • Tanto o óvulo da mãe quanto o esperma do pai carregam cromossomos sexuais. O óvulo sempre contribui com um cromossomo X e o esperma pode contribuir com um cromossomo X ou Y, dependendo da célula espermática;
  • O sexo do bebê é determinado pela célula espermática que fertiliza o óvulo primeiro. Se o esperma estiver carregando um cromossomo X, o bebê será uma menina. Se o esperma estiver carregando um cromossomo Y, o bebê será um menino.

Importante lembrar que o exame de ultrassom pode também ser utilizado para a descoberta do sexo do bebê, porém, é sempre importante lembrar que ele foi desenvolvido no intuito de obter imagens do feto em desenvolvimento por outras razões médicas, a principal delas é acompanhar todo o tempo de gestação.

Ultrassom de primeiro trimestre com perfil bioquímico

Neste sentido, o exame de ultrassom é um exame de imagem não invasivo, que utiliza ondas sonoras para produzir imagens dos órgãos ou fluxo sanguíneo.

No pré-natal, por exemplo, vemos em tempo real as imagens do feto, placenta e bolsa das águas. Assim podemos acompanhar a evolução da gestação, saúde do feto e da mamãe.

Desta forma, este exame é realizado de 11 a 14 semanas de gestação, preferencialmente na 12ª semana, e consiste em um ultrassom comum.

Este método tem  89% de chance de detecção do risco para a síndrome de Down. Se feita a medição do osso nasal, a detecção da síndrome aumenta. 

Além disso, há 95% de chance de detecção da trissomia do 18, que está associada à deficiência intelectual e anomalias congênitas. 

Neste sentido, deve ser incluído no exame a idade materna, a translucência nucal – que é uma medida realizada na região da nuca do feto -, o Beta HCG livre no soro materno (o de sangue  e a proteína A plasmática associada à gravidez (PAPP-A), com o objetivo de se estimar o risco do feto apresentar malformação ou síndrome, como a Síndrome de Down. 

Qual a chance de erro na descoberta do sexo do bebê?

Embriologicamente falando, até a nona semana tanto o sexo feminino quanto o masculino possui o tubérculo genital, que é o que vai dar origem ao pênis ou ao clitóris. 

Com aparência similar, é possível ver a partir de 11,5 semanas em duas linhas paralelas na região da genitália. 

Em 2006, Efrain Et Cols observou que o ângulo desse tubérculo no final do primeiro trimestre, sendo que maior que 30 graus sugere o sexo masculino e menor que 30 graus sugere o sexo feminino, com um precisão de 98,6%. 

No entanto, em um trabalho mais recente Saviron Et Cols avaliou em 1986, casos com um taxa de precisão geral de 90,1%. E geralmente, esse acerto é diretamente proporcional ao tamanho do feto que chamamos de CCN (comprimento crânio nádegas). 

Porém, o acerto com uma medida de feto de 65 mm é de 95% e um feto que mede acima de 76 mm a taxa de acertos aumenta para 99%. Portanto, concluímos que a detecção é melhor.

Vamos entender a questão da angulação essa imagem:

sexagem-fetal

Créditos: mamãe sortuda

Foi possível identificar as angulações e assim descobrir o sexo dos bebês.

Quando deve ser feito o exame de sexagem fetal?

Esse exame pode ser feito a partir de 8 semanas de gravidez, mas o ideal é fazer com 11 semanas. 

Portanto, é importante ressaltar  que alguns fatores dificultam o exame tais como obesidade materna, cicatrizes da pele por cirurgias, se o útero for voltado para trás, se o feto estiver de costas, entre outros.    

Além do ultrassom de primeiro trimestre com perfil bioquímico, existem outros exames que devem ser feitos durante a gestação. Eles são:

  • Ultrassonografia obstétrica com doppler;
  • Ultrassom morfológico de segundo trimestre com doppler;

Todos esses exames são muito importantes nesse momento. Entenda as diferenças entre eles no último artigo que escrevemos sobre ultrassom.

Existem outras exames para descobrir o sexo do bebê?

A resposta é sim. Porém, nenhum deles visa especificamente a descoberta do sexo. Tratam-se de exames específicos para identificação de problemas genéticos, mas que também conseguem identificar o sexo. Abaixo apresentamos alguns deles

Fertilização in vitro com seleção de sexo

Se você está planejando a fertilização in vitro (FIV), há uma opção de escolher o sexo do bebê em conjunto com este procedimento. A fertilização in vitro auxilia na fertilidade, combinando um óvulo maduro com esperma fora do corpo. Isso cria um embrião, que é implantado no útero.

Neste sentido, é possível identificar o sexo de diferentes embriões e, então, transferir apenas os embriões do sexo desejado.

Esta pode ser uma opção se for importante para aqueles casais que desejam um filho de um determinado sexo.

A seleção do sexo em conjunto com a fertilização in vitro é cerca de 99% precisa. Mas, é claro, há o risco de nascimentos múltiplos com a fertilização in vitro – caso seja transferido mais de um embrião para o útero.

NIPT

Este exame verifica se há condições cromossômicas como a síndrome de Down. Você pode fazer este teste a partir da 10ª semana de gravidez. Ele não diagnostica um distúrbio cromossômico, ou seja, ele apenas analisa a possibilidade.

Se o bebê apresentar resultados anormais, o médico pode solicitar outros exames para diagnosticar a síndrome de Down e outras doenças cromossômicas.

Para este teste, basta fornecer uma amostra de sangue, que será enviada a um laboratório e verificada quanto à presença de DNA fetal ligado a distúrbios cromossômicos. Este teste também pode determinar com precisão o sexo do bebê.

O NIPT é indicado caso a paciente tiver alto risco de ter um bebê com anomalia cromossômica. Esse pode ser o caso de mulheres que já deram à luz um bebê com uma anormalidade ou se já tem mais de 35 anos no momento do parto.

Como este é um teste não invasivo, dar uma amostra de sangue não representa nenhum risco para mãe ou bebê.

Amostra de vilosidade coriônica

A amostragem de vilosidades crônicas (CVS) é um teste genético usado para identificar a síndrome de Down. Este teste remove uma amostra de vilosidade coriônica, que é um tipo de tecido encontrado na placenta. Ele revela informações genéticas sobre o bebê.

Este teste pode ser realizado já na décima ou décima segunda semana de gravidez. E, como contém informações genéticas sobre o bebê, também pode revelar o sexo.

Este exame também é indicado caso a gestante tenha mais de 35 anos ou se tiver uma história familiar de anomalia cromossômica. Este é um teste preciso para descobrir o sexo do bebê, mas envolve alguns riscos.

Algumas mulheres têm cólicas, sangramento ou vazamento de líquido amniótico, e também há o risco de aborto espontâneo e parto prematuro.

Amniocentese

A amniocentese é um teste que ajuda a diagnosticar e detectar problemas de desenvolvimento no feto. Neste caso, é coletado uma pequena quantidade de líquido amniótico, que contém células que indicam anormalidades. As células são testadas para síndrome de Down, espinha bífida e outras doenças genéticas.

Este exame é solicitado caso o ultrassom detecte  uma anormalidade. Ele pode ser realizado  em torno de 15 a 18 semanas de gravidez e leva cerca de 30 minutos.

Como é feito?

Primeiro, o médico usa um ultrassom para determinar a localização do bebê no útero e, em seguida, insere uma agulha fina  para retirar o líquido amniótico. Os riscos incluem cólicas, hematomas e manchas. Também existe o risco de aborto espontâneo.

Com a detecção de doenças congênitas e outras anormalidades, uma amniocentese também identifica o sexo do bebê. 

Considerações finais

Identificar o sexo do bebê pode ser emocionante e pode ajudá-la a se preparar para a chegada do seu.

Alguns casais, no entanto, não gostam tanto assim da antecipação e só descobrem o sexo do bebê na sala de parto – e isso é perfeitamente normal.

Espero que você tenha gostado desse artigo.

Gostaria de agendar seu exame de ultrassom ou realizar seu pré-natal conosco? Ligue (13) 3202-1990 ou entre em contato  através do site.

Até breve.

 

Rafaélla Mantovani

Rafaélla Mantovani

Comunicação e Marketing Digital na Clínica Mega Imagem.