Antes de mais nada, é importante dizer que o câncer de mama é a doença mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil.

Desta forma, em 2018, a estimativa foi  de que houveram 59 700 casos novos de câncer de mama. Excluído o câncer de pele não melanoma.

Este é o mais frequente nas mulheres das regiões, sul, sudeste, centro-oeste e nordeste.

Contudo, o câncer de mama não acomete somente mulheres, ele também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

Apesar disso, o câncer de mama é tratável, por isso é muito importante que ele seja descoberto cedo para o início do tratamento.

Alguns Estudos

A princípio, muitos estudos demonstram diferenças significativas em populações com certos hábitos saudáveis e aquelas que não os tem.

Ou seja, estes hábitos não se referem somente ao câncer de mama. Todavia, há uma série de outros tipos de câncer e doenças também relacionadas.

Contudo, é importante lembrar que com a explosão da expectativa de vida, inúmeras são as pessoas que terão a oportunidade de viver mais e com boa qualidade de vida, desde que se atentem ao seu comportamento.

Assim, o primeiro passo para mudar é ter conhecimento do que é recomendado.

O tripé da saúde é constituído basicamente de:

  • seguir recomendações médicas a respeito de cuidados e tratamentos;
  • alimentação adequada e atividade física sob orientação.

Em qualquer idade a mudança de comportamento para uma disposição de vida saudável terá grande impacto na saúde, disposição e jovialidade do indivíduo.

Quando o assunto é câncer, existem fatores que dependem do comportamento do indivíduo e outros fatores que não dependem.

Fatores de risco que aumentam a chance do câncer de mama e dependem do comportamento do paciente:

Estar acima do peso: estar acima do peso aumenta o risco do desenvolvimento do câncer de mama. Para isso, é importante dar uma atenção especial para o corpo. Uma vida mais saudável pode trazer diversos benefícios além da prevenção ao câncer de mama.

Falta de exercício: O exercício regular ajuda a reduzir o risco de câncer de mama. O ideal é a prática de exercícios de 3 a 4 horas semanais.

É aconselhado começar gradualmente, caminhando 15 minutos por dia e depois aumentar lentamente a quantidade de tempo que se gasta se exercitando, bem como aumentando gradualmente o nível de intensidade.

Beber álcool: o álcool em qualquer dose é considerado fator de risco para câncer em geral. Três doses de álcool por semana aumentam em 15% o risco de câncer e que a cada dose adicional o risco sobe para 10% (considera-se uma dose a 350 ml de álcool / 150 ml de cerveja / 50 ml de destilado.

Fumar: o tabagismo causa várias doenças (doenças cerebrovasculares/AVC, infarto, câncer de pulmão, etc.) e está associado a um maior risco de câncer de mama em mulheres mais jovens na pré-menopausa.

A pesquisa também mostrou que pode haver ligação entre a exposição excessiva ao fumo passivo e o risco de câncer de mama em mulheres na pós-menopausa.

Em outras palavras, fumar também pode aumentar as complicações do tratamento do câncer de mama, incluindo danos aos pulmões por radioterapia, dificuldade em curar após cirurgia e reconstrução mamária e maior risco de coágulos sanguíneos ao tomar medicamentos para terapia hormonal.

Gravidez 

Histórico de gravidez: mulheres que não tiveram uma gravidez a termo ou tiveram seu primeiro filho após os 30 anos têm um risco maior de câncer de mama em comparação com as mulheres que deram à luz antes dos 30 anos.

História da amamentação: A amamentação pode diminuir o risco de câncer de mama, especialmente se uma mulher amamentar por mais de um ano.

Fatores de risco para câncer de mama que não dependem do comportamento do paciente:

Entretanto, existem fatores que aumentam o risco de câncer de mama que não depende do paciente, portanto, a única ação possível é seguir as orientações médicas para fazer a detecção precoce do câncer de mama. 

Esses fatores são:

  • Idade acima igual ou de 40 anos (Brasil)
  • Ter ou herdar um gene com mutação para câncer de mama
  • Histórico familiar de câncer de mama ou de ovário abaixo de 50 anos em parente de primeiro grau
  • Histórico pessoal de câncer de mama:
    • Aumento de 3 a 4 vezes a probabilidade de desenvolver um novo câncer.
  • Radioterapia prévia no peito ou rosto antes dos 30 anos
  • Diagnóstico prévio em biópsias das seguintes alterações aumentam proporcionalmente o risco da doença:
    • 2 vezes o risco: hiperplasia ductal sem atipia, fibroadenoma complexo, adenose esclerosante, papiloma ou papilomatose, cicatriz radial
    • 4-5 vezes o risco: hiperplasia ductal atípica e hiperplasia lobular atípica
    • 7-12 vezes o risco: Carcinoma lobular in situ (LCIS)
  • Raça / Etnia:
    • Ser branca aumenta pouco mais o risco, Ser negra aumenta mais o risco de câncer de mama (de forma mais agressiva e em estágio avançado).
  • Mamas densas na mamografia:
    • Pode ter duas vezes mais chances de desenvolver câncer de mama
  • Histórico Menstrual
    • Menstruar com menos de 12 anos (influências: obesidade e à ampla exposição a desreguladores hormonais).
    • Menopausa com mais de 55 anos.

Desta forma é possível observar que muitos fatores para a prevenção do câncer de mama e de outras doenças estão nas mãos de pacientes.

Assim, cabe a cada um, a decisão de levar um estilo de vida mais saudável que  distancie do risco de doenças que podem vir atrapalhar a qualidade de vida.

Esperamos que esse texto tenha contribuído para sua jornada.

Não esqueça de visitar regularmente o seu médico e de agendar exames preventivos!

Mega Imagem

A clínica Mega Imagem é referência no diagnóstico por imagem na Baixada Santista.