Cálculo renal: o que é?

A incidência de cálculos renais durante a vida é de  5% em mulheres e 12% em homens, com a média ao redor do mundo de 10%. Está ocorrendo um aumento da incidência em países desenvolvidos, talvez pelo aumento da ingestão de calorias e de proteína animal e o aumento da ingestão de sal.

O aumento do sobrepeso e da obesidade podem contribuir também já que o índice de massa corporal ou IMC tem sido relacionado a cálculos. Em crianças os cálculos são mais raros e relacionados a infecções, malformação e alterações metabólicas, porém alguns trabalhos tem notado um aumento da incidência provavelmente pela orientação alimentar.

O recomendado é a que a ingestão de água seja de 2 a 3 litros por dia, mas se ao você ver a urina no vaso sanitário ela está concentrada , devemos tomar mais líquido. Veja como o cálculo renal se forma:

Para explicar melhor, é como se a gente diluísse em uma xícara de café uma pequena colher de açúcar e misturasse. Isso fará com que o açúcar dilua no café. Depois a gente coloca mais uma colher de açúcar e assim por diante até atingir o ponto de saturação no qual uma parte do açúcar não vai conseguir diluir e começa a precipitar no fundo da xícara.

Esse açúcar que fica no fundo da xícara no caso dos cálculos vai se juntando e vai formando as pedras. Se elas são pequenas elas podem ficar nos rins ou serem eliminadas, porém as maiores podem obstruir a saída da urina e acumular urina a montante do cálculo ocasionando cólicas nos rins e dor.

As vezes o médico especialista pode pedir para você levar o cálculo para ele avaliar sua composição  e ter idéia do que pode promover ou inibir sua formação. Por exemplo, o tipo mais comum de  cálculo é o de oxalato de cálcio. Se o seu tipo de cálculo é esse o seu médico deve orientar a ingestão de cálcio  porque tanto o excesso como a falta de cálcio pode aumentar as chances de cálculos

Entre as substâncias que podem ajudar a diminuir os cálculos estão os citratos, entre eles estão frutas como abacaxi, laranja, limão  e o magnésio.

Por isso vamos diluir a urina para evitar a concentração desses cristais. E a boa notícia é a de que a diluição diminui a ação dos promotores de cálculos e não afeta os inibidores de cálculos.

Fatores de risco

Pessoais:

  • Histórico familiar : se tiver alguém na família pode aumentar o risco porém precisamos sempre prestar atenção se os hábitos alimentares em comum pode ajudar nessa predisposição;
  • Sexo: é mais frequente em homens do que em mulheres , porém alguns trabalhos relatam um aumento entre mulheres;
  • Idade: é mais frequente entre os 30 e 50 anos;
  • Malformações do trato urinário;
  • Alguns medicamentos (alguns tipos de diuréticos, acetazolamida , topiramate);
  • Alguns tipos de infecções;
  • Cistinúria (desordem congênita que aumenta uma substância na urina que se chama cistina que aumenta a chance de cálculos);
  • Aumento da eliminação de cálcio ( aumento da ingestão de sal, hiperparatireoidismo, hipervitaminose D).

Hábitos alimentares que influenciam na formação do cálculo renal

A ingestão de suplemento de cálcio pode aumentar a chance de cálculo. Porém, a falta de ingestão de cálcio também pode levar a um aumento do risco ( abaixo de 400 mg/dia ) porque aumenta a absorção de oxalato pelo intestino o que aumenta o risco de cálculo.

Por isso não se deve diminuir a ingestão de líquidos, o correto é pelo menos de 2 a 3 litros de água por dia. O aumento da ingestão de proteína animal, purinas e sal. O aumento da ingestão de potássio diminui o risco. Além disso, alguns trabalhos referem a relação de fatores como diabetes ( talvez pela diminuição do PH) , hipertensão e obesidade.

Fatores ambientais

Há ainda os fatores ambientais, trabalhadores que se expõe ao sol aumentam o risco de desidratação, assim como maratonistas, por isso é necessário uma ingestão maior de líquidos.

A recorrência de casos é alta, cerca de 40% a 60% das pessoas que já tiveram cálculo renal  podem voltar a ter em 5 anos após o primeiro episódio. Por isso, a prevenção com a ingestão de água é fundamental.

A seguir temos um quadro para a orientação de quanto de líquido é necessário por dia e orientações gerais ( ingestão de cálcio, sal e proteína):

 

Ingestão do líquido de água por pessoa:

Os cálculos podem ser assintomáticos, mas alguns podem ocasionar do , principalmente quando descem pelo ureter.

O ureter é um tubo que comunica o rim a bexiga, e ele que pode desacelerar parcial ou totalmente a ida da urina para a bexiga, fazendo com que acumule urina a montante no rim e este comece a dar cólicas.

Os cálculos podem dar sangue na urina (hematúria) visível a olho nu (esse é um dos motivos pelos quais é importante o vaso sanitário ser branco) ou pode ser visto no exame de urina feito em laboratório. Às vezes o cálculo pode estar associado a infecção.

Diagnóstico do cálculo renal

O Ultrassom é um dos exames indicados, nele podem pode-se avaliar se há dilatação nos rins quando o cálculo é obstrutivo (total ou parcialmente).

Além disso, se houver pequenos cálculos nos rins podem não ser detectados e como o ureter que é o tubo que liga os rins até a bexiga pode estar atrás de alças intestinais dificultando a observação.

Neste caso, a tomografia sem contraste  é o melhor exame para avaliar cálculos. Podemos através do estudo da densidade ver sua composição, por exemplo se é de oxalato.

Cerca de 99% dos cálculos renais são visualizados pela tomografia computadorizada sem contraste. O local mais comum que os cálculos param é na junção da bexiga com o ureter (tubo que liga o rim a bexiga).

Em relação ao tratamento os especialistas podem considerar a cirurgia se os cálculos forem grandes, se os sintomas forem duradouros , a localização do cálculo, se está associado a infecção ou a conduta conservadora não foi suficiente.

Mas lembre-se, é muito importante consultar o seu médico.

Já acompanha a MEGA nas redes sociais? Não deixe de acessar nosso Instagram  e Facebook.

Espero que tenha gostado desse artigo, até breve.

Texto feito por: Dra Nancy Yukie Nagata Gasparini CRM 70531

Dra. Nancy Yukie Nagata Gasparini

Média Ginecologista e ultrassonografista da Mega Imagem. CRM: 70.531