Fígado: quais as causas dos distúrbios hepáticos?

figado
O fígado é um órgão tão importante para o corpo humano. No artigo de hoje iremos conversar sobre os distúrbios hepáticos, algumas deficiências que afetam boa parte da população, de forma silenciosa. Mas, você sabe qual é a função do órgão que nós possuímos, chamado de fígado?

Fígado e suas funções

O fígado é responsável por metabolizar todas as substâncias do nosso corpo como medicamentos, álcool, gordura, entre outros. Vamos entender um pouco cada função:

Digestão de Gorduras

O fígado é responsável por destruir as gorduras, a partir da bile – um líquido gástrico capaz de quebrar as gorduras em ácidos graxos- facilitando a absorção pelo intestino delgado.

Eliminação de toxinas

O fígado possui um papel importante, ele filtra o sangue, ajudando a remover as toxinas que são enviadas para o rim para se transformar em urina. Um bom exemplo é o álcool.

Produção de glicose

O fígado remove o excesso de glicose da corrente sanguínea e a armazena como glicogênio. Dessa forma, ele consegue ajudar o corpo quando precisa de energia, convertendo o glicogênio em glicose e enviando para o sangue para que outros tecidos possam utilizar.

Colesterol

Você sabia que o fígado produz o conhecido colesterol? Isso mesmo, ele produz colesterol a partir de alimentos ricos em gordura. Isso acontece depois que ele é transportado no sangue por moléculas que se chamam lipoproteínas, como LDL e HDL. O colesterol é necessário para o funcionamento normal do corpo, participando da produção de vitamina D, de hormônios como testosterona e estrógeno, e dos ácidos biliares que dissolvem gordura, além de estar presente na membrana de todas as células do organismo.

Transformação de Amônia em ureia

O fígado transforma a amônia em ureia, porque ela acaba sendo tóxica para o corpo. Dessa forma, o órgão transforma a amônia em ureia e faz com que ela seja eliminada através da urina.

Distúrbios Hepáticos

O fígado, por ser um órgão que possui várias funções acaba por sofrer pelos distúrbios, muitas vezes, silenciosos. Por isso, trouxemos também algumas informações muito importantes sobre a Esteatose Hepática e as Hepatites.

Esteatose Hepática ou ‘Gordura no Fígado’

A Esteatose Hepática consiste no que chamamos de “gordura no fígado”. Essa gordura nada mais é, do que o acumulo de gordura no interior das células do fígado, totalizando mais de 5% do seu peso. Elas são divididas em:
  • DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA ALCOÓLICA: causada pelo excesso de ingestão de bebidas alcoólicas;
  • DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA:  é a causa mais frequente de gordura no fígado, relaciona-se  com fatores de risco e  NÃO tem relação com excesso de ingestão de álcool.
É muito importante ter atenção e realizar exames periodicamente. A esteatose é uma doença silenciosa e sua causa vêm de uma má alimentação, rica em carboidratos, alcoolismo, ingestão em excesso de gorduras e a falta das atividades físicas regulares. A longo prazo, esta doença pode causar distúrbios cardiovasculares, desenvolvimento de cânceres e até mesmo disfunções do próprio órgão.

Diagnóstico para gordura no fígado

O diagnóstico pode ser feito através do exame de ultrassonografia, mais conhecida como elastografia hepática. Este exame consiste em avaliar a quantidade e o grau de gordura no fígado e também suas medidas, para avaliar se está no tamanho correto. Quando a esteatose é identificada, podem ser solicitados demais exames para analisar com maior precisão cada caso. Como a Tomografia Computadorizada ou até mesmo a Ressonância Magnética.  

Hepatites: qual relação com o fígado?

A hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus (hepatites virais), uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. As hepatites estão divididas em A, B e C. Vamos entender melhor cada uma delas:

Hepatite A

A hepatite A é transmitida por vírus e geralmente é contraído por falta de saneamento básico. Os sintomas podem ser febres, dor abdominal, diarreia, dores pelo corpo, vômitos, falta de apetite, icterícia e em crianças abaixo de 5 anos podem ser assintomáticas. Uma forma eficaz de prevenção é a vacina.

Hepatite B

A hepatite B é considerada também uma DST – Doença Sexualmente Transmissível. Ela é transmitida através do sangue, a partir do compartilhamento de seringas por exemplo. Existem fatores de risco para que a doença se torne crônica e estão relacionados a idade mais avançada, sexo masculino, alto consumo de álcool, tabagismo e imunossupressores. Há também neste caso, a vacina disponível como forma de prevenção.

Hepatite C

A maneira de transmissão é pelo sangue, como em transfusões, compartilhamento de agulhas para o uso de drogas, objetos cortantes como alicate de unha, bem como na transmissão durante a gestação. A hepatite C é a maior causa de doença crônica do fígado e para esse tipo de hepatite viral não existe vacina disponível.

Hepatite D

A hepatite D requer a hepatite B para replicar. E as formas de contágio são as mesmas, através do sangue ou até mesmo no parto. Entretanto, com a vacinação em massa para a Hepatite B, houve uma diminuição nos casos da D.

Hepatite E

A hepatite por vírus “E” é muito semelhante a hepatite por vírus “A” acometendo mais o sistema gastrointestinal (diarreia) e não tem vacina. Portanto, é transmitida através da falta de saneamento básico e quando contraída na gravidez pode ser fulminante.   Já segue a Mega? Acesse nossos canais: no Facebook​​​ , Instagram Linkedin

Adicione o texto do seu título aqui

Por Rafaélla Mantovani

Comunicação e Marketing Digital na Clínica Mega Imagem.