Ficar sentado por longos períodos é o novo fumar!

Ficar sentado

Quando você pensa em algo que pode ameaçar sua vida, provavelmente não pensa no fato de ficar sentado, certo?

Porém, de acordo com muitos pesquisadores, ficar sentado é uma das maiores ameaças à sua saúde.

A pesquisa mostra que você pode reduzir suas chances de:

  • câncer;
  • diabetes tipo 2;
  • doenças cardiovasculares;
  • dores nas costas.

E sabe como? Com uma simples mudança de estilo de vida: reduzir o tempo que passa sentado.

Em outras palavras, ficar sentado é mais perigoso do que:

  • fumar;
  • mata mais pessoas do que o HIV;
  • é mais perigoso do que saltar de pára-quedas.

Ou seja, segundo especialistas, a  cadeira veio para nos matar.

Você pode ter ouvido o ditado, “ficar sentado é o novo cigarro, creditado ao Dr. Levine.

Ele não é o único que acredita que ficamos sentados até a morte. Há um crescente corpo de pesquisadores que apoiam sua afirmação e os benefícios de escrivaninhas em pé, embora haja alguns que discordem.

O Dr. Levine estima que, nos Estados Unidos, as pessoas passam mais da metade das horas de vigília sentados, assistindo TV, dirigindo, sentados em uma mesa no trabalho ou em casa.

O exercício não anula longos períodos de sessão

Você pode estar pensando: “Mas eu treino várias vezes por semana”.

Infelizmente, a pesquisa mostra que, embora o exercício seja bom para você, ele não anula o dano causado por longos períodos sentado.

Ou seja, a cura para ficar sentado demais não é mais exercícios.

O exercício é bom, é claro, mas a pessoa média nunca poderia fazer o suficiente para neutralizar o efeito de horas e horas de tempo na cadeira. Você não pode compensar 10 horas de imobilidade com uma hora de exercício.

A razão é que as sessões de maratona sentada alteram o metabolismo do seu corpo.

O metabolismo desacelera 90% após 30 minutos sentado. As enzimas que movem a gordura ruim das artérias para os músculos (onde pode ser queimada), diminuem a velocidade.

Neste sentido, os músculos da parte inferior do corpo estão desligados. Sendo assim, depois de duas horas, o colesterol bom cai 20%.

Como mudar isso? Levantar por cinco minutos já vai fazer as coisas andarem de novo.

Como sabemos, ficar sentado interrompe a atividade elétrica nas pernas.

Isso acontece porque torna o corpo menos sensível à insulina, faz com que a queima de calorias diminua e retarda o colapso de gorduras perigosas no sangue, reduzindo o colesterol HDL ‘bom’.

Ficar sentado aumenta a chance de obesidade

O Dr. Levine começou sua pesquisa sobre os perigos de ficar sentado e os benefícios de mesas em pé, porque estava tentando descobrir porque algumas pessoas parecem ganhar peso e outras não.

Para seu estudo, ele colocou funcionários que não faziam exercícios em uma dieta de 1.000 calorias e não os fez mudar sua rotina de exercícios. Resultado: alguns ganharam peso, outros perderam peso.

Ele então fez com que os participantes vestissem roupas íntimas forradas com sensores que informavam o quanto cada trabalhador estava se movendo ao longo do dia.

Sendo assim, ele descobriu o elo que faltava: o grupo que estava perdendo peso estava se movendo cerca de 2,25 horas a mais por dia do que o grupo que engordou.

Ou seja, você queima em média 50 calorias a mais por hora em pé.

Se você ficar em pé por 3 horas por dia, cinco dias por semana, isso soma 750 calorias queimadas. Em um ano, isso soma 30.000 calorias, o que equivale a quase 4 quilos.

Neste sentido, isso equivale a cerca de 10 maratonas por ano e é por isso que o Dr. Levine é um grande defensor das mesas em pé.

Dor nas costas, no pescoço e ciática ao ficar sentado?

No Departamento de Ergonomia da Universidade Cornell, os pesquisadores descobriram que até 90% mais pressão é aplicada à parte inferior das costas quando você está sentado do que quando está de pé.

De acordo com o Instituto Nacional de Artrite e Doenças Musculoesqueléticas e de Pele, a dor nas costas é um dos problemas de saúde mais comuns, com 1 em cada 4 pessoas sentindo dor nas costas 1 dia a cada 3 meses.

Um dos benefícios mais comuns da transição para uma mesa “sit-to-stand” é a redução da dor nas costas e no pescoço.

Então, se o seu monitor estiver abaixo do nível dos olhos e você olhar para baixo para o telefone inúmeras vezes por dia, poderá desenvolver cifose postural, em que sua cabeça se inclina para a frente e os ombros para frente.

A cifose postural pode causar dores no pescoço e nas costas, bem como fadiga.

Sendo assim, se você tem dores nas costas ou no pescoço, ficar sentado por horas e não ter uma boa postura, essa pode ser sim fonte do seu problema.

Ficar sentado de forma excessiva propicia o câncer?

Infelizmente, muitos estudos dizem haver vários tipos de câncer serem causados ​​por inatividade.

Neste sentido, estima-se que 173.000 casos de câncer nos Estados Unidos são devidos à inatividade, com 49.000 casos de câncer de mama e 43.000 casos de câncer de cólon.

Os outros cânceres ligados à inatividade são câncer de pulmão (37.200), câncer de próstata (30.600 casos), câncer de endométrio (12.000 casos) e câncer de ovário (1.800 casos).

Cada um deles também pode estar relacionado ficar sentado excessivamente.

De acordo com a Live Science, o mecanismo subjacente pelo qual sentar aumenta o risco de câncer ainda não está claro.

No entanto, os cientistas descobriram vários biomarcadores, como uma proteína C reativa que está presente em níveis mais elevados em pessoas que ficam sentadas por longos períodos.

Ficar sentado excessivamente causa doenças cardiovasculares?

Um estudo interessante feito em 1953 com motoristas de ônibus de Londres pode ser encontrado no site History of Cardiovascular Disease Epidemiology da University of Minnesota.

Pesquisadores britânicos compararam as taxas de doenças cardíacas em motoristas de ônibus de Londres que ficavam maior parte do tempo sentado com os condutores de ônibus que passavam algum período de pé.

A pesquisa descobriu que os motoristas que ficavam sentados o dia todo tiveram muito mais ataques cardíacos e outros problemas do que o grupo que estava ali.

Cientistas compararam também adultos que passam menos de 2 horas por dia em frente à TV ou outros tipos de tela com aqueles que assistem mais de 4 horas por dia. Aqueles com maior tempo de tela tiveram:

  • Um aumento de quase 50% no risco de morte por qualquer causa;
  • Cerca de 125% aumentaram o risco de eventos associados a doenças cardiovasculares, como dor no peito (angina) ou ataque cardíaco.

Neste sentido, mesmo quando os pesquisadores controlaram a quantidade de exercício, os participantes que ficam maior parte do tempo sentado, ainda tinham 34% mais probabilidade de desenvolver insuficiência cardíaca do que aqueles que estavam em pé ou em movimento.

Sendo assim, o risco de insuficiência cardíaca era mais do que o dobro para homens que se sentavam por pelo menos cinco horas por dia fora do trabalho e não se exercitavam muito, em comparação com homens que eram fisicamente ativos e sentavam-se por menos de duas horas por dia.

Ficar sentado aumenta as taxas de diabetes tipo 2?

Estudos comprovaram que homens que normalmente andam muito (cerca de 10.000 passos por dia, medidos por um pedômetro) foram solicitados a reduzir (cerca de 1.350 passos por dia) por duas semanas, usando elevadores em vez de escadas, dirigindo para o trabalho em vez de caminhar, e assim por diante.

Assim, no final das duas semanas, todos eles pioraram no metabolismo de açúcares e gorduras.

A distribuição da gordura corporal também havia se alterado. Essas mudanças estão entre os primeiros passos no caminho para o diabetes.

Outro estudo conduzido na Austrália, concluiu que as pessoas que faziam mais pausas na hora de sentar, tinham uma contagem de triglicerídeos reduzida (bem como cinturas menores e um índice de massa corporal mais baixo).

Uma contagem mais alta de triglicerídeos está associada a um risco aumentado de diabetes.

Por fim, vários estudos, incluindo um publicado no National Institute of Health, correlacionam longos períodos sentados com uma capacidade reduzida de regular a glicose na corrente sanguínea, uma condição conhecida como síndrome metabólica, que aumenta drasticamente as chances de diabetes tipo 2.

Sentar de forma excessiva pode reduzir o tempo de vida?

De outro lado, um estudo australiano de 2010 descobriu que para cada hora que os participantes gastaram sentados diariamente durante um período de 7 anos, o risco geral de morrer aumentou 11%.

Já um estudo de 2012 descobriu que se o americano médio reduzisse seu tempo sentado para 3 horas por dia, a expectativa de vida aumentaria em 2 anos.

Assim, pesquisadores na Austrália descobriram que adultos que se sentaram 11 horas ou mais por dia tiveram um risco 40% maior de morrer durante os próximos 3 anos, em comparação com aqueles que se sentaram por menos de 4 horas por dia (e eles levaram em consideração os níveis de exercício e saúde dos participantes).

Neste sentido, pesquisadores da American Cancer Society descobriram que mulheres que ficavam sentadas por mais de 6 horas por dia tinham um risco 37% maior de morte precoce, em comparação com mulheres que ficavam sentadas por menos de 3 horas.

Considerações Finais

Por fim, com estudos realizados em diversos países e por diversos especialistas, ficar longos períodos sentados aumentam o risco de:

  • obesidade,
  • dores nas costas e pescoço,
  • diabetes, doenças cardiovasculares,
  • e mortalidade precoce.

Ou seja, se você ficar sentado o dia todo não será é saudável para sua vida!

Neste sentido, s especialistas são unanimes em recomendar levantar-se a cada 20 a 30 minutos para fazer qualquer tipo de atividade,  com foco em evitar todos os problemas que podem advir de longos períodos de inatividade.

 

Por Kelma Yaly

Consultora de Marketing de Conteúdo e Performance para Mega Imagem.