Apneia do sono: sintomas e diagnóstico

A apneia do sono caracteriza-se pela obstrução da via aérea ao nível da garganta durante o sono, levando a uma parada da respiração, que dura em média 20 segundos.

Após esta parada no fluxo de ar para os pulmões, o paciente acorda, emitindo um ronco muito ruidoso.

Desta forma, pode ocorrer várias vezes durante a noite, havendo pacientes que apresentam uma cada um ou dois minutos. Durante estes episódios, a oxigenação sanguínea pode cair, expondo o paciente a problemas cardíacos.

Sintomas

A principal manifestação dos problemas crônicos de sono é a sonolência exagerada.

As primeiras manifestações dos distúrbios do sono são as alterações do humor, da memória e das capacidades mentais, como aprendizado, raciocínio, pensamento e concentração.

Um sintoma muito característico de distúrbio de sono é o ronco. O ronco ainda hoje é interpretado popularmente como sinal de que o indivíduo dorme bem, mas é justamente o contrário.

Quem ronca está esforçando sua musculatura respiratória para além de seus limites, e está sobrecarregando o coração de trabalho.

Ao longo do tempo o indivíduo que ronca pode ficar hipertenso, apresentar infarto do miocárdio ou derrame cerebral.

Os principais tipos  são:

  • Apneia obstrutiva do sono: A forma mais comum que ocorre quando os músculos da garganta relaxam
  • Apneia central do sono: Quando o cérebro não envia sinais adequados aos músculos que controlam a respiração.
  • Síndrome da apneia do sono complexa: Também conhecida como apneia do sono central emergente do tratamento, que ocorre quando alguém tem apneia obstrutiva do sono e apneia central do sono.

Causas

Apneia obstrutiva do sono

Isso ocorre quando os músculos da parte posterior da garganta relaxam. Esses músculos sustentam o palato mole, o pedaço triangular de tecido pendurado no palato mole (úvula), as amígdalas, as paredes laterais da garganta e a língua.

Quando os músculos relaxam, suas vias aéreas se estreitam ou fecham conforme você inspira. Você não consegue ar suficiente, o que pode diminuir o nível de oxigênio no sangue. 

Seu cérebro percebe sua incapacidade de respirar e o desperta brevemente do sono para que você possa reabrir suas vias respiratórias. Esse despertar geralmente é tão breve que você não se lembra dele.

Você pode bufar, engasgar ou suspirar. Esse padrão pode se repetir de cinco a 30 vezes ou mais a cada hora, durante toda a noite, prejudicando sua capacidade de atingir as fases profundas e repousantes do sono.

Apneia central do sono

Esta forma menos comum de apneia do sono ocorre quando o cérebro não consegue transmitir sinais aos músculos respiratórios. 

Isso significa que você não faz nenhum esforço para respirar por um curto período. Você pode acordar com falta de ar ou ter dificuldade em dormir, ou ainda em permanecer dormindo.

Fatores de risco

Pode afetar qualquer pessoa, até crianças. Mas certos fatores aumentam seu risco.

Apneia obstrutiva do sono

Os fatores que aumentam o risco desta forma de apneia do sono incluem:

  • Excesso de peso: A obesidade aumenta muito o risco. Os depósitos de gordura ao redor das vias aéreas superiores podem obstruir a respiração;
  • Circunferência do pescoço: Pessoas com pescoço mais grosso podem ter vias aéreas mais estreitas;
  • Uma via aérea estreitada:  Você pode ter herdado uma garganta estreita. As amígdalas ou adenoides também podem aumentar e bloquear as vias aéreas, principalmente em crianças;
  • Ser homem: Os homens têm duas a três vezes mais chances de desenvolverem do que as mulheres. No entanto, as mulheres aumentam o risco se estiverem acima do peso, e o risco também parece aumentar após a menopausa.
  • Sendo mais velho: Ocorre com muito mais frequência em adultos mais velhos.
  • Histórico familiar: Ter familiares com apneia do sono pode aumentar o risco;
  • Uso de álcool, sedativos ou tranqüilizantes: Essas substâncias relaxam os músculos da garganta, o que pode piorar a apneia obstrutiva do sono.
  • Tabagismo: Os fumantes têm três vezes mais probabilidade de ter apneia obstrutiva do sono do que as pessoas que nunca fumaram. Fumar pode aumentar a quantidade de inflamação e retenção de líquidos nas vias aéreas superiores;
  • Congestão nasal: Se você tem dificuldade para respirar pelo nariz – seja por um problema anatômico ou alergia – é provável que desenvolva apneia obstrutiva do sono;
  • Condições médicas: Insuficiência cardíaca congestiva, hipertensão, diabetes tipo 2 e doença de Parkinson são algumas das condições que podem aumentar o risco de apneia obstrutiva do sono. A síndrome do ovário policístico, distúrbios hormonais, derrame prévio e doenças pulmonares crônicas, como asma, também podem aumentar o risco.

Apneia central do sono

Os fatores de risco incluem:

  • Sendo mais velho: Pessoas de meia-idade e mais velhas têm maior risco;
  • Ser homem: A apneia central do sono é mais comum em homens do que em mulheres;
  • Distúrbios cardíacos: Ter insuficiência cardíaca congestiva aumenta o risco;
  • Uso de analgésicos narcóticos: Os medicamentos opioides, especialmente os de ação prolongada, como a metadona, aumentam o risco de apneia central do sono;
  • Derrame. Ter tido um acidente vascular cerebral aumenta o risco de apneia do sono central ou apneia do sono central emergente do tratamento.

Complicações

A apneia do sono é uma condição médica séria. As complicações podem incluir:

  • Fadiga diurna: Os repetidos despertares associados à apneia do sono tornam o sono normal e restaurador impossível, tornando provável sonolência diurna severa, fadiga e irritabilidade.

    Você pode ter dificuldade para se concentrar e pegar no sono no trabalho, enquanto assiste à TV ou mesmo enquanto dirige. 

    Você também pode se sentir mal-humorado, mal-humorado ou deprimido. Crianças e adolescentes com apneia do sono podem ter um desempenho ruim na escola ou ter problemas de comportamento.

  • Pressão alta ou problemas cardíacos: Quedas repentinas nos níveis de oxigênio no sangue que ocorrem durante estes episódios, aumentam a pressão arterial e sobrecarregam o sistema cardiovascular. Ter apneia obstrutiva do sono aumenta o risco de pressão alta (hipertensão).

    A apneia obstrutiva do sono também pode aumentar o risco de ataques cardíacos recorrentes, derrames e batimentos cardíacos anormais, como fibrilação atrial. Se você tem doença cardíaca, vários episódios de baixa oxigenação no sangue (hipóxia ou hipoxemia) podem causar morte súbita por batimento cardíaco irregular.

  • Diabetes tipo 2: Ter apneia do sono aumenta o risco de desenvolver resistência à insulina e diabetes tipo 2.
  • Complicações com medicamentos e cirurgia: A apneia obstrutiva do sono também é uma preocupação com certos medicamentos e anestesia geral. Estes pacientes podem ter maior probabilidade de complicações após uma cirurgia de grande porte, pois são propensas a problemas respiratórios, especialmente quando sedadas e deitadas de costas.

    Antes de fazer a cirurgia, informe seu médico sobre sua condição e como ela está sendo tratada.

  • Problemas de fígado: Pessoas com esse distúrbio têm maior probabilidade de apresentar resultados anormais nos testes de função hepática, e seus fígados têm maior probabilidade de apresentar sinais de cicatrizes (doença hepática gordurosa não-alcoólica).
  • Síndrome metabólica: Este distúrbio, que inclui pressão alta, níveis anormais de colesterol, açúcar elevado no sangue e aumento da circunferência da cintura, está relacionado a um risco maior de doenças cardíacas.

Diagnóstico

O diagnóstico depende dos sintomas apresentados, podem ser feitos o exame físico para ver a garganta, boca e nariz ou pode ser necessários alguns testes em um centro de sono.

Alguns testes incluem a polissonografia — nesse exame o paciente será monitorado durante o sono, sua respiração, batimentos cardíacos, movimentos de pernas e braços, e o nível de oxigênio. 

Para realizar o tratamento pode ser necessário: 

  • Perda de peso;
  • fazer exercícios;
  • diminuir a ingestão de álcool;
  • diminuir o tabagismo;
  • usar medicamentos para descongestionar o nariz ou medicamentos antialérgicos;
  • não dormir de barriga para cima;
  • não usar medicamentos para ansiedade ou pílulas para dormir. 

Além disso, pode ser necessário o uso de aparelhos para ajudar a respirar (CPAP).

O CPAP é um aparelho que envia um fluxo de ar contínuo para as vias respiratórias, por meio de uma máscara. A quantidade do fluxo de ar enviado é determinada pela pressão informada no exame de polissonografia.

Retirado de Mayo Foundation For Medical Education and Research

Podem ser utilizados também os dispositivos orais, para casos mais leves.

Em alguns casos podem ser necessárias cirurgias, como, por exemplo, a cirurgia de retirada de tecido da parte posterior da garganta entre outras.

Caso você apresente algum dos sintomas é necessário procurar um médico para realizar o diagnóstico correto da apneia do sono.

aparelho dental para apneia do sono
                                       Retirado de Mayo Foundation For Medical Education and Research

 

Base: Academia Brasileira de Neurologia

publicado
Categorizado como Artigos

Por Mega Imagem

A clínica Mega Imagem é referência no diagnóstico por imagem na Baixada Santista.