A importância da alimentação saudável

Muito tem se falado em alimentação saudável em nossos dias, e embora a variedade e oferta de alimentos tenha se multiplicado, por muitos fatores temos nos afastado do que é saudável.

Por ser comum à nossa formação física, nosso organismo reconhece alimentos naturais que são capazes de nutrir nossas células, resultando em saúde, o que exige darmos a devida importância aos alimentos que ingerimos. Mas infelizmente, na correria do dia a dia, é muito comum cedermos espaço à Indústria Alimentícia, que transforma os alimentos naturais em ultra processados (refinados, modificados, repletos de aditivos artificiais, sódio, açúcares e gorduras hidrogenadas, altamente calóricos, reduzindo suas qualidades nutricionais e fibras), viciando de crianças a adultos que, vencidos pelo sabor irresistível e facilidade da comida pronta, acabam dando preferência em consumi-los.

Nos dias de hoje, é alarmante o aumento do número de doenças crônicas relacionados à má alimentação, como a obesidade, hipertensão e diabetes, mas ficamos desorientados entre o que a indústria e a praticidade oferecem e o que realmente necessitamos, por isso precisamos encontrar um caminho que nos possibilite melhorar nossos hábitos alimentares.

O alimento é o combustível do corpo, nos fornece energia mental e física, por isso deve ser de boa qualidade, com o mínimo de modificações que facilitem o consumo e rico em variedade para atender às nossas necessidades balanceadas de água, sal, açúcar, proteínas, gorduras, minerais, vitaminas, entre outras substâncias. Para que isso seja possível, a natureza nos oferece uma gama de alimentos de acordo com cada região, clima e estações do ano, sendo que nas infinitas combinações e criatividade no preparo está o segredo para uma alimentação saudável.

Mesmo não podendo nos dedicar constantemente ao preparo da nossa alimentação, isso não nos impede de fazermos boas escolhas fora de casa, excluindo opções de alimentos insalubres como frituras, lanches, massas, refrigerantes, bebidas açucaradas e “fast-foods”, dando preferência para nos alimentarmos em locais que ofereçam comidas mais naturais, frescas, caseiras, ou por quilo. A variedade da comida brasileira é imensa, e há diversos grupos de alimentos saudáveis que precisamos levar em consideração antes de nossas escolhas, pois são essenciais para uma boa alimentação ao longo do dia. Vamos conhecê-los?

Feijões: Vários tipos de feijões e leguminosas como ervilha, lentilha e grão de bico. Fontes de proteínas, possuem quantidades moderadas de calorias, alto teor de fibras favorecendo a saciedade, além de vitaminas do complexo B e minerais como ferro, zinco e cálcio.

Cereais: Vários tipos de arroz, trigo, milho, aveia, cevada, centeio, linhaça, quinoa, entre outros. Ricos em carboidratos, fibras, proteínas, gorduras saudáveis, sais minerais, vitaminas, enzimas, entre outros elementos. Podem ser usados como acompanhamento ou na preparação de pratos diversos. O arroz refinado e derivados de trigo devem ser usados com moderação por serem altamente calóricos, causando picos de insulina.

Raízes: Batatas, mandioca, mandioquinha, cará, inhame. Devem ser consumidos com moderação na composição de outros pratos por possuírem baixo teor de fibras e altas calorias, preferencialmente cozidos ou assados, pois quando fritos absorvem grande quantidade de gordura.

Legumes e Verduras: A grande variedade brasileira favorece a oferta de legumes e verduras o ano todo, conforme a região, mas é aconselhável que sejam livres de agrotóxicos. Podemos citar entre eles: Abóbora, abobrinha, acelga, agrião, aipo, alface, almeirão, aspargo, berinjela, beterraba, brócolis, cebola, cenoura, chicória, chuchu, couve, espinafre, jiló, mostarda, nabo, ora-pro-nóbis, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, rabanete, repolho, rúcula, tomate. São fontes de fibras promovendo a saciedade, possuem inúmeros minerais e vitaminas, baixas calorias e previnem inúmeras doenças. Devem ter predominância em todas as refeições e serem consumidos à vontade: crus, cozidos, assados e em combinação com diversos alimentos e temperos, passando anteriormente por higienização adequada, sendo as saladas temperadas com azeite extra-virgem além de temperos naturais conforme a preferência.

Frutas: Outra diversidade brasileira, fontes de fibras, minerais e vitaminas, tem o sabor acentuado na época de sua safra própria, sendo que as mais doces possuem alto teor calórico e devem ser usadas com moderação. Em geral, devem ser consumidas inteiras, mesmo descascadas, para melhor aproveitamento dos nutrientes, evitando a perda das fibras. Podemos destacar: Abacate, abacaxi, açaí, acerola, ameixa, amora, banana, cacau, caqui, carambola, coco, figo, fruta do conde, goiaba, graviola, figo, jabuticaba, jaca, jambo, jenipapo, laranja, lima, limão, maçã, mamão, manga, maracujá, pêra, pitanga, romã, tangerina, uva.

Castanhas e nozes: Vários tipos de castanhas, nozes, amêndoas e amendoim. São ricas em minerais, vitaminas, fibras e gorduras saudáveis, contendo compostos que combatem várias enfermidades. Podem ser consumidas inteiras, usadas na confecção de inúmeros pratos, inclusive granola, adicionadas a iogurtes naturais, frutas, smoothies (vitaminas combinando leites vegetais, frutas e legumes, conservando as fibras próprias), sendo excelentes opções nos lanches entre as refeições.

Leites e Derivados: Leites animais, coalhadas, iogurtes naturais e queijos que, por serem processados (parcialmente industrializados), devem ser consumidos com moderação no acompanhamento de outros grupos de alimentos. São ricos em proteínas, minerais, vitaminas, cálcio e gorduras, usados na preparação de vários pratos, devendo-se avaliar a intolerância de cada indivíduo antes do consumo. As bebidas lácteas industrializadas são adoçadas e alteradas com substâncias artificiais, corantes e saborizantes – alimentos ultraprocessados, que devem ser evitados.
Carnes, Ovos: Carne animal, aves, peixes e ovos. Alimentos ricos em proteínas, gorduras, minerais e vitaminas, que devem ser usados com moderação no acompanhamento dos outros grupos de alimentos, em diversas combinações, e na formação de novos pratos.

Temperos: Alho, cebola, sal moído iodado, ervas, condimentos, manteiga, banha de porco caseira, limão, vinagre, pimentas, azeitonas, azeite de Oliva extra-virgem, podem complementar os pratos dos diversos grupos, enriquecendo e realçando os sabores típicos de cada um, devendo ser evitados temperos industrializados devido aos  componentes altamente viciantes e nocivos à saúde.

E finalmente a água: Essencial para a manutenção da vida, deve ser preferida às outras bebidas, consumida várias vezes ao dia e na preparação dos alimentos, sendo mineral, potável filtrada ou fervida.

Podemos observar que as combinações entre os diversos grupos de alimentos são infinitas e nos motivam a praticar a alimentação saudável, tão importante na busca de melhor qualidade de vida. E então, vamos começar?

publicado
Categorizado como Artigos

Por Mega Imagem

A clínica Mega Imagem é referência no diagnóstico por imagem na Baixada Santista.