5 coisas que você precisa saber sobre a variante Delta

Variante Delta

Variante Delta, você já ouviu sobre ela?

Pela primeira vez em mais de um ano, estamos sentindo alguma esperança – ou pelo menos um otimismo cauteloso – de que a pandemia possa voltar ao segundo plano.

Mas ainda existe a preocupação de que novas mutações do vírus possam trazê-lo de volta, e  ser ainda mais forte.

Uma grande preocupação agora é a variante Delta, uma cepa do vírus SARS-CoV-2 altamente contagiosa, identificada pela primeira vez na Índia em dezembro.

Em seguida, ele se espalhou rapidamente por aquele país e pela Grã-Bretanha antes de chegar aos EUA, onde agora é a variante dominante.

Especialistas descrevem a variante Delta como mais transmissível do que o resfriado comum e a gripe, bem como os vírus que causam o Ebola, a varíola, o MERS e a SARS – e o chamou de contagioso como a varicela.

A maior disseminação de casos e desfechos graves está acontecendo em lugares com baixas taxas de vacinação.

Inci Yildirim, MD, PhD, especialista em doenças infecciosas pediátricas da Yale Medicine e vacinologista, não está surpresa com o que está acontecendo. “Todos os vírus evoluem com o tempo e passam por mudanças à medida que se espalham e se replicam”, diz ela.

Mas uma coisa única sobre a variante Delta, a rapidez com que está se espalhando em todo o mundo, o que  acelerará a pandemia.

Pelo que sabemos até agora, as pessoas que estão totalmente vacinadas contra o coronavírus parecem ter proteção contra a variante Delta, mas quem não está vacinado e não pratica estratégias preventivas corre o risco de infecção pela nova variante..

Aqui estão cinco coisas que você precisa saber sobre a variante Delta.

1. Variante Delta é mais contagiosa do que as outras cepas de vírus.

Delta é o nome do B.1.617.2. variante, uma mutação SARS-CoV-2 que surgiu originalmente na Índia.

O primeiro caso Delta foi identificado em dezembro de 2020, e a cepa se espalhou rapidamente, logo se tornando a cepa dominante do vírus na Índia e na Grã-Bretanha.

No final de julho, a variante Delta era a causa de mais de 80% dos novos casos COVID-19 nos EUA, de acordo com estimativas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) chamou essa versão do vírus de “a mais rápida e adequada”. O CDC rotulou Delta como “uma variante preocupante”, usando uma designação também dada à cepa Alpha que apareceu pela primeira vez na Grã-Bretanha, a cepa Beta que apareceu pela primeira vez na África do Sul e a cepa Gamma identificada no Brasil. (As novas convenções de nomenclatura para as variantes foram estabelecidas pela OMS como uma alternativa aos nomes numéricos.)

Em um ambiente completamente não mitigado – onde ninguém está vacinado ou usando máscaras – estima-se que a pessoa comum infectada com a cepa original do coronavírus infectará 2,5 outras pessoas. No mesmo ambiente, a variante Delta se espalharia de uma pessoa para talvez 3,5 ou 4 outras pessoas, afirma especialistas.

Embora os especialistas acreditem que a maior parte da transmissão da variante Delta é de pessoas que não foram vacinadas, existem novos dados que sugerem que algumas pessoas totalmente vacinadas podem espalhar a doença quando desenvolvem “casos inovadores. ”

As vacinas têm sido altamente protetoras e os casos de descoberta são considerados raros, mas nenhuma vacina oferece 100% de proteção, e novas pesquisas mostram que pessoas com casos de descoberta da variante Delta carregam quantidades enormes de vírus em seu nariz e garganta, e podem ser contagiosos, independentemente de terem ou não sintomas.

2. Pessoas não vacinadas estão em risco.

Pessoas que não foram totalmente vacinadas contra COVID-19 estão em maior risco.

Nos EUA, há um número desproporcional de pessoas não vacinadas nos estados do sul, onde as taxas de vacinação são baixas.

Crianças e jovens também são uma preocupação. Um estudo recente do Reino Unido mostrou que crianças e adultos com menos de 50 anos tinham 2,5 vezes mais probabilidade de se infectar com a variante Delta, e até agora, nenhuma vacina foi aprovada para crianças de 5 a 12 anos nos EUA.

Ainda segundo especialistas, à medida que as faixas etárias mais velhas são vacinadas, aqueles que são mais jovens e não vacinados têm maior risco de contrair COVID-19 com qualquer variante.

3. A variante Delta pode levar a ‘surtos locais’.

Se a Variante Delta continuar a se mover rápido o suficiente para acelerar a pandemia, a pergunta que fica é: Quantas pessoas obterão a variante Delta e com que rapidez ela se espalhará?

As respostas podem depender, em parte, de onde você mora – e de quantas pessoas em sua região foram vacinadas.

Em alguns casos, uma cidade com baixa vacinação e cercada por áreas de alta vacinação pode acabar com o vírus contido dentro de suas fronteiras, e o resultado pode ser “surtos locais”.

Portanto, em vez de uma pandemia de três ou quatro anos que desaparece quando um número suficiente de pessoas é vacinado ou naturalmente imune (porque já tiveram o vírus), um aumento nos casos seria comprimido em um período de tempo mais curto.

4. Ainda há mais para aprender sobre a variante Delta.

Uma questão importante é se a cepa Delta o deixará mais doente do que o vírus original.

As primeiras informações sobre a gravidade da variante Delta incluíram um estudo da Escócia que mostrou que ela tinha cerca de duas vezes mais probabilidade do que o Alpha de resultar em hospitalização em indivíduos não vacinados, mas outros dados não mostraram nenhuma diferença significativa.

As informações podem mudar à medida que os especialistas aprendem mais.

Outra questão se concentra em como a variante Delta afeta o corpo.

Houve relatos de sintomas diferentes daqueles associados à cepa original do coronavírus.

A tosse e a perda do olfato são menos comuns. E dor de cabeça, dor de garganta, coriza e febre estão presentes com base nas pesquisas mais recentes no Reino Unido, onde mais de 90% dos casos são devido à cepa Delta.

A vacina Pfizer-BioNTech foi 88% eficaz contra doença sintomática e 96% eficaz contra hospitalização de Delta nos estudos, enquanto Oxford-AstraZeneca (que não é uma vacina de mRNA) foi 60% eficaz contra doença sintomática e 93% eficaz contra hospitalização. Os estudos acompanharam os participantes que foram totalmente vacinados com ambas as doses recomendadas.

Moderna também relatou estudos (ainda não revisados ​) que mostraram que sua vacina é eficaz contra Delta e várias outras mutações (os pesquisadores observaram apenas uma “redução modesta nos títulos neutralizantes” contra Delta quando comparada à sua eficácia contra o vírus original).

As pessoas vacinadas precisarão de injeções de reforço para se proteger contra o Delta?

Alguns especialistas dizem que é muito cedo para saber se precisaremos de uma dose de reforço para atingir a variante Delta – ou para reforçar a proteção contra o vírus original.

No entanto, tanto a Pfizer quanto a Moderna estão trabalhando em reforços, embora ainda enfrentem o obstáculo de obter autorização.

A Johnson & Johnson também relatou que sua vacina é eficaz contra a variante Delta, mas um estudo recente (que ainda não foi revisado por pares ou publicado em um jornal científico), sugere que sua vacina é menos eficaz contra a variante, o que gerou discussões sobre se os destinatários de J&J também podem precisar de um reforço.

Existem perguntas e preocupações adicionais sobre a Delta, incluindo Delta Plus – uma subvariante da Delta, encontrada nos EUA, no Reino Unido e em outros países.

Delta Plus tem uma mutação adicional ao que a variante Delta tem, diz o Dr. Yildirim. Essa mutação, chamada K417N, afeta a proteína spike

Desta forma, esta variante foi relatada primeiro na Índia, mas o tipo de mutação foi relatado em variantes como Beta, que surgiram anteriormente. Mais dados são necessários para determinar a taxa real de disseminação e o impacto dessa nova variante na carga e no resultado da doença.

5. A vacinação é a melhor proteção

A coisa mais importante que você pode fazer para se proteger da variante Delta é se vacinar totalmente, dizem os médicos.

No entanto, os cuidados mesmo estando vacinado precisa ser mantido: máscara!  As máscaras faciais podem fornecer proteção adicional e a OMS tem incentivado o uso de máscaras mesmo entre as pessoas vacinadas.

 

publicado
Categorizado como Artigos

Por Kelma Yaly

Consultora de Marketing de Conteúdo e Performance para Mega Imagem.