Hepatites Virais: Causas e diagnósticos

hepatite

As hepatites virais, segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde, são um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo.

A hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus (hepatites virais), uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Quais as funções do fígado?

Ele tem várias funções, podemos citar:

  • Produz a bile, que ajuda na digestão de gorduras. A bile e um líquido verde que fica dentro de uma bolsa localizada junto ao contorno inferior do fígado (às vezes acaba formando pedras – cálculos – que podem ocasionar dor);
  • Produz proteínas como a albumina, que são os transportes de algumas substâncias como hormônios;
  • Ajuda na coagulação do sangue;
  • Ajuda a eliminar substâncias como alguns medicamentos que ingerimos, além de filtrar o sangue.  O fígado elimina toxinas e elementos danosos ao organismo advindos dos alimentos ingeridos.

Por isso, a saúde entra em risco quando o órgão adoece, já que o processo de filtragem fica comprometido.

Nesse cenário, a prevenção das doenças hepáticas e o diagnóstico precoce são as maiores ferramentas para evitar que o fígado seja lesionado.

Grande parte das doenças crônicas do fígado é assintomática o que dificulta o diagnóstico.

Por ser tão importante e ter tantas funções, a natureza fez com que ele tivesse muito poder de se
regenerar, mas às vezes ele pode ficar doente (inflamado). Essa inflamação é conhecida como hepatite.

Existem na literatura médica diversos tipos de hepatites (Hepatites Virais – tipo A, B, C, D e E), por álcool, por medicamentos, oriundas de doenças autoimunes (quando as células e anticorpos da pessoa atacam o próprio corpo) e a Esteatose Hepática (Gordura no Fígado).

Neste artigo iremos tratar das hepatites virais mais comuns, porém caso você deseje conhecer melhor as demais patologias, acesse o E-book Doenças do Fígado, onde reunimos informações relacionadas a todos os tipos de inflamação do fígado.

Quais são as hepatites virais?

De antemão, é bom lembrar que as hepatites virais causaram 1,34 milhões de mortes no mundo em 2015 e o número de mortes por hepatite tem aumentado, muitas devido a cirrose, que ocorre quando a as células do fígado são substituídas por fibrose.

Assim, apresentamos as características de cada uma das hepatites virais:

Hepatites Virais – A

Com a melhora do saneamento básico e as crianças não mais brincando nas ruas ou quintais como antigamente, colocando a mão no chão e posteriormente na boca, houve uma menor incidência de hepatite A na infância e por causa disso curiosamente tem se percebido uma tendência de aumento da hepatite A em adultos (1).

Lembrando que a hepatite por vírus “A” tem quase 100% de cura e a pessoa pode continuar a ser doador de sangue. sendo  mais fácil de tratar nas crianças do que nos adultos.

O tempo de incubação, que é o que chamamos de intervalo do contato com o vírus até a manifestação dos sintomas, varia de 14 a 28 dias.

Os sintomas podem ser febres, dor abdominal, diarreia, dores pelo corpo, vômitos, falta de apetite, icterícia e em crianças abaixo de 5 anos podem ser assintomáticas.

Em geral os sintomas são piores quando a pessoa se infecta na idade adulta (principalmente pacientes com
imunodepressão ou doenças crônicas), mas a boa notícia e que maioria se recupera em 6 meses.

Podem ser realizados testes logo no início dos sintomas para detectar a ação dos anticorpos contra o vírus (IGM – anticorpo detectado em infecções recentes, IGG anticorpos de memória do contato com o vírus detectado geralmente por toda vida, IGA anti HAV que são anticorpos que existem no trato gastrointestinal).

A hepatite viral  A pode ser prevenida com boas condições de saúde e higiene, saneamento básico e vacina, uma vez que para a Hepatite por vírus “A” tem vacina preventiva!

Hepatites Virais – B

Entre os pacientes que desenvolvem a hepatite crônica, pode ocorrer a cirrose (o fígado fica endurecido com diminuição da função).

A via de transmissão da hepatite “B” é pelo sangue (compartilhamento de seringas) ou relação sexual, portanto é uma DST (doença sexualmente transmissível) e também na gestação.

Existem fatores de risco para cronificação da doença e estão relacionados a idade mais avançada, sexo masculino, alto consumo de álcool, tabagismo e imunossupressão.

Os fatores que aumentam o risco de câncer de fígado estão relacionados a doença metabólica.

Ingestão de aflatoxinas, afrodescendente, orientais e pessoas com antecedente familiar de câncer de fígado e tempo de exposição ao vírus, lembrando que a hepatite “B” caminha lentamente para a cirrose e ou câncer.

Em pacientes com inflamação no fígado, que se traduz por aumento de alguns marcadores no sangue (por exemplo a
ALT e a AST).

Os médicos podem indicar ultrassom de fígado e elastografia (exame para avaliar a dureza do órgão). Para
Hepatite por vírus B, tem existe vacina preventiva disponível.

Hepatites Virais  – C

A hepatite C é a maior causa de doença crônica do fígado e para esse tipo de hepatite viral não existe vacina
disponível.

Com 71 milhões de pessoas cronicamente infectadas no mundo, encontramos desde pacientes assintomáticos (muitos nem sabem que tem a doença) até pacientes com cirrose e câncer de fígado.

A maneira de transmissão e pelo sangue (transfusões, compartilhamento de agulhas para o uso de drogas, objetos
cortantes como alicate de unha), bem como na transmissão durante a gestação.

Este tipo de hepatite não é considerado DST (doença sexualmente transmissível) exceto por raras vezes via sexual anal, portanto pode ser mais frequente em relações masculinas homossexuais).

Os sintomas mais comuns são parecidos com os das outras hepatites como dor abdominal, vômitos, icterícia.

Como não existem vacinas, é importante o não compartilhamento de agulhas, por exemplo que entrem
em contato com o sangue.

O objetivo principal do tratamento é curar a infecção não se detectando mais os marcadores do vírus por 12 a 24 semanas, diminuindo assim a inflamação do fígado e normalizando os exames de sangue.

Na hepatite C crônica o médico vai avaliar o grau de acometimento do fígado, que pode ser feito através de exames de sangue, ultrassom (que pode avaliar também o fluxo nos vasos do fígado) e a elastografia para a avaliação da dureza do fígado.

A biópsia do fígado em alguns casos pode ser considerada, mas atualmente o exame de elastografia hepática
(FibroScan) é o mais indicado.

Hoje existem vários medicamentos que podem negativar o vírus. Deve sempre dar ênfase a aderência ao tratamento.

Hepatites Virais – D

Diferente das outras hepatites, a D requer a hepatite B para replicar.

A maneira mais comum de infecção é durante o parto ou através de contato com sangue e secreções (pessoas que usam drogas injetáveis) por exemplo.

Houve uma diminuição dessa hepatite após a vacinação da hepatite B, portanto a vacinação e a melhor forma de prevenção visto que a cirrose crônica tem uma rápida progressão na hepatite por esse vírus.

Se o paciente contrair a Hepatite D juntamente com a B, os sintomas são mais severos.

Pacientes com hepatite B crônica são pessoas de risco para hepatite D. Essa hepatite por vírus “D” é encontrada mais
nos estados do norte brasileiro (Acre, Roraima, Amazonas, Rondônia e Para; raros casos no sul e sudeste.

Hepatites Virais – E

Tem uma transmissão fecal oral com quadro clínico semelhante a outras hepatites virais. Se adquirido na gravidez pode ocorrer uma forma de hepatite mais grave (insuficiência hepática fulminante).

Os testes de sorologia IgM e IgG para identificar se o paciente tem defesa contra esses vírus podem ser utilizados para confirmar essa hepatite.

Ela não se torna crônica e não se tem tratamento específico. A prevenção se faz por cuidados higiene e boas condições sanitárias.

A hepatite por vírus “E” é muito semelhante a hepatite por vírus “A” acometendo mais o sistema gastrointestinal (diarreia) e não tem vacina.

Quer saber mais?

Acesse nosso infográfico sobre hepatites virais, e conheça as características de cada uma destas patologias.


infográfico hepatites virais

Sobre a Mega

Fundada em 1996, a Mega Imagem surgiu com a finalidade de oferecer um serviço de radiologia de alta tecnologia, precisão e segurança.

Conta com unidades em Santos e no Guarujá e atua com equipes treinadas e capacitadas para promover soluções inovadoras cada vez mais eficientes na experiência do atendimento ao paciente, de maneira humanizada.

É referência na prevenção de doenças.

Oferece exames de imagem com perfeita definição  em exames de Densitometria Óssea, Tomografia Computadorizada, Ultrassonografia 5D, Ressonância Magnética 3Tesla e Mamografia Digital Direta.

Por Kelma Yaly

Consultora de Marketing de Conteúdo e Performance para Mega Imagem.