Doença autoimune: quais são as causas?

autoimune

Doença autoimune: o que é?

Hoje vamos entender o que é uma doença autoimune e os estudos referentes a suas causas.

Uma doença autoimune é aquela que faz com que o sistema imunológico produza anticorpos que atacam os tecidos normais do corpo. Ou seja, autoimune é quando seu corpo ataca a si mesmo, ele vê uma parte do seu corpo ou um processo como uma doença e tenta combatê-la.

Um sistema imunológico saudável defende o corpo contra doenças e infecções. Mas, se ele não funciona bem, ele ataca, por engano, células, tecidos e órgãos saudáveis. Chamados de doença autoimune, esses ataques podem afetar qualquer parte do corpo, enfraquecendo as funções corporais e até mesmo tornando-se fatais.

Os cientistas sabem sobre mais de 100 doenças autoimunes. Alguns são bem conhecidos, como diabetes tipo 1, esclerose múltipla, lúpus e artrite reumatóide, enquanto outros são raros e difíceis de diagnosticar. Com doenças autoimunes nem sempre comuns , os pacientes podem sofrer anos antes de obter um diagnóstico adequado. A maioria dessas doenças não tem cura. Alguns requerem tratamento vitalício para aliviar os sintomas.

Estudos

A natureza crônica e debilitante dessas doenças, que podem levar a altos custos médicos e redução da qualidade de vida, é um fardo para os pacientes e também afeta suas famílias e comunidades.

Coletivamente, essas doenças afetam mais de 24 milhões de pessoas nos Estados Unidos,  de 5% a 9% da população. Outros oito milhões de pessoas têm auto anticorpos, moléculas do sangue que indicam a chance de uma pessoa desenvolver doenças autoimunes.

Essas doenças parecem estar aumentando ao redor do mundo, mas as razões ainda estão sendo pesquisadas. Um tipo de anticorpo que se chama anticorpo antinuclear ( ANA), o mais comum indicador de autoimunidade em seres  humanos, aumentou substancialmente ao longo de um período recente de 25 anos nos EUA. Dos grupos demográficos que exibiram aumentos consideráveis de ANA, os achados no grupo de adolescentes foram os mais preocupantes para a equipe de pesquisa. Os valores para crianças de 12 a 19 anos aumentaram quase três vezes durante o período de estudo.

Os pesquisadores querem saber por que estão vendo essas mudanças na autoimunidade em cada um dos grupos, especialmente nos adolescentes. Os cientistas sugerem que, como as pessoas não mudaram muito geneticamente durante os últimos 30 anos, fatores relacionados ao estilo de vida ou ao meio ambiente podem estar envolvidos no aumento de ANA.

Portanto embora as causas de muitas doenças autoimunes permaneçam desconhecidas, os genes de uma pessoa em combinação com infecções e outras exposições ambientais podem desempenhar um papel significativo no desenvolvimento da doença. As características de gênero, raça e etnia estão associadas à probabilidade de desenvolver uma doença autoimune.

Exposição Ambiental

Existem exposições ambientais que podem estar relacionadas a doença autoimune, por exemplo:

  • Luz solar: devido a radiação ultravioleta  pode estar relacionado ao desenvolvimento de dermatomiosite juvenil, uma doença autoimune associada a fraqueza muscular e erupções cutâneas;
  • Pobreza infantil:  associada à artrite reumatoide na idade adulta;
  • Produtos químicos agrícolas:  artrite reumatoide;
  • Mercúrio orgânico (pelo consumo de peixes contaminados, por exemplo) pode desencadear doenças autoimunes como: doença inflamatória intestinal, lúpus, artrite reumatóide e esclerose múltipla;
  • Poluentes ambientais: o cigarro pode ampliar o risco genético da artrite reumatoide;
  • Nutrição e  doenças autoimunes:  a vitamina D pode ser importante para prevenir a disfunção imunológica em populações mais velhas e alguns  micronutrientes dietéticos podem melhorar ou piorar os sintomas do lúpus.

A influência desses fatores externos podem ser explicados pela epigenética, uma área da ciência em rápido crescimento que se concentra nos processos que ajudam a direcionar quando genes individuais são ativados ou desativados.

Embora o DNA da célula forneça o manual de instruções, os genes também precisam de instruções específicas. Em essência, os processos epigenéticos dizem à célula para ler páginas específicas do manual de instruções em momentos distintos.

Por décadas, os cientistas conheceram a estrutura básica de nosso DNA, os blocos de construção que constituem nossos genes. Por isso, embora quase todas as células do corpo humano tenham o mesmo conjunto de genes,  diferentes tipos de células, como as do cérebro ou da pele, têm aparência e comportamento tão diferentes.

Algumas mudanças epigenéticas são estáveis e duram toda a vida, e algumas podem ser transmitidas de uma geração para a outra, sem alterar os genes.

Vários processos epigenéticos envolvem compostos químicos que se ligam ou se ligam ao DNA ou a proteínas que empacotam o DNA dentro das células chamadas histonas. Quando um composto químico se liga ao DNA, certos genes são ativados ou desativados, selecionando quais proteínas são feitas

Como  exemplos da natureza de fatores epigenéticos podemos citar que com o aumento da temperatura da areia , mais tartarugas marinhas nascerão fêmeas. Outro exemplo: todas as fêmeas de abelha desenvolvem-se a partir de larvas geneticamente idênticas, mas a dieta exclusiva com geleia real transforma uma operária infértil em uma rainha fértil .

A ingestão insuficiente de ácido fólico está também implicada em certas anomalias de desenvolvimento em humanos, como espinha bífida e outros defeitos no desenvolvimento do tubo neural. Para evitar esses defeitos é muito usual prescrever suplementos de ácido fólico a mulheres grávidas ou que pretendam engravidar

Alimentação e a relação com a doença autoimune

Em 2003, pesquisadores apoiados pelo “National Institute of Environmental Health Science”  fizeram uma descoberta importante que demonstrou o papel da epigenética ambiental no desenvolvimento e na doença. Eles usaram o camundongo agouti em seu estudo. O camundongo tem uma versão alterada do gene agouti, que os torna amarelos, obesos e altamente suscetíveis ao desenvolvimento de doenças, como câncer e diabetes.

Os pesquisadores alimentaram os ratos com uma dieta rica em grupos metil. Por meio de processos epigenéticos, os grupos metil se ligaram ao DNA da mãe e desligaram o gene agouti. Como resultado, a maioria dos descendentes nasceu magra e morena, e não mais propensa a doenças.

A dieta rica em grupos metil pode englobar o folato (cereais integrais, feijões, cogumelos, fígado de galinha, abacate, manga, laranja, tomate, melão, banana, ovo) , vitamina B12 (peixes, carnes, ovos),  vitamina B6 (carnes, de porco, principalmente, leite e ovos, batata inglesa, aveia, banana, gérmen de trigo, abacate, levedo de cerveja, cereais, sementes e nozes), colina (ovos, crucíferos, cogumelos , quinoa)  e metionina (ovos, castanha-do-pará, peixes, frutos do mar e carnes) que são alimentos ricos em proteína.

Este estudo foi o primeiro a demonstrar que não são apenas nossos genes que determinam nossa saúde, mas também nosso meio ambiente e o que comemos.

Embora os pesquisadores conheçam, há muito tempo, a sequência de DNA que compõe todos os genes humanos, conhecidos coletivamente como genoma, o mesmo não se podia dizer do epigenoma humano, até recentemente. O epigenoma se refere a todos os compostos químicos adicionados ao material genético de um organismo que regulam sua função.

Pesquisadores apoiados pelo National Institute of Environmental Health Science demonstrou que a exposição humana aos poluentes ambientais do ar e metais tóxicos, como o arsênico, pode causar danos às células que podem levar a doenças cardiovasculares.

A equipe de pesquisa tem rastreado anormalidades no sangue, bem como alterações epigenéticas, que podem servir como indicadores, ou marcadores, da exposição à poluição do ar e metais tóxicos em níveis que podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares, principalmente em homens idosos.

Esses marcadores podem ajudar na detecção precoce e prevenção de doenças cardiovasculares e outras doenças, inclusive as doenças autoimunes.

Já acompanha a MEGA nas redes sociais? Não deixe de acessar nosso Instagram  e Facebook.

Espero que tenha gostado desse artigo, até breve.

Por Rafaélla Mantovani

Comunicação e Marketing Digital na Clínica Mega Imagem.